Publicidade
Notícias | País Fim do mistério

Análise mostra que sementes recebidas pelo correio contêm pragas que não existem no país

Parte das amostras analisadas pelo Ministério de Agricultura até o momento apresentaram risco fitossanitário

Publicado em: 26.11.2020 às 17:20 Última atualização: 26.11.2020 às 17:21

Pacotes de sementes não solicitados chegaram ao País Foto: Divulgação/Mapa
As sementes misteriosas que chegaram nas casas de muitos brasileiros pelos Correios nos últimos meses apresentam risco fitossanitário ao país, conforme divulgado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O resultado foi divulgado na quarta-feira (25), após conclusão da análise de 36 amostras recebidas.

As verificações foram realizadas pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Goiás indicam que 47% das amostras já analisadas apresentam risco fitossanitário ao país.

No Rio Grande do Sul, a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) recebeu nas suas inspetorias 46 pacotes oriundos do exterior com material vegetal sem origem determinada. A maioria deles, com sementes. Uma parte deste material já foi encaminhada ao Mapa para análise e outra será encaminhada em breve. "Estamos recebendo pacotes de material sem origem determinada de todas as regiões do estado. Eles representam um risco para o ingresso de pragas. Por isso, o alerta de não abrir o pacote ou plantar em hipótese nenhuma estas sementes vindas do exterior, sem procedência", ressalta Ricardo Felicetti, chefe da divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Seapdr.

O risco das amostras

Após avaliação foi identificado que uma amostra continha a espécie Myosoton aquaticum, praga ausente no Brasil e com potencial para ser considerada quarentenária, ou seja, com risco de estabelecimento no país e de causar danos fitossanitários. Essa espécie apresenta resistência a herbicidas, o que torna seu controle difícil. A introdução dessa planta daninha no país pode ter impacto econômico negativo.

Em quatro amostras foram identificadas uma espécie quarentenária ausente - Descurainia sophia- considerada como planta daninha nos Estados Unidos e Canadá, além de planta invasora no México, Japão, Coreia, Chile e Austrália.

Já a Myosoton aquaticumé considerada daninha nos campos de trigo da China. Outras 15 amostras continham gêneros que tem espécies quarentenárias ou espécies com potencial quarentenário, como sementes de Cuscuta; de Brassica; de Chenopodium; de Amaranthus; e dos fungos Cladosporium; Alternaria; Fusarium; e Bipolaris.

“A introdução de material propagação (sementes ou mudas), mesmo em pequenas quantidades, sem atender aos requisitos fitossanitários e de qualidade, coloca em risco a agricultura brasileira”, ressalta o diretor do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas, Carlos Goulart.

Orientações para quem recebeu o material

A secretaria da Agricultura orienta para que, caso receba sementes pelo correio, não plante, descarte no lixo ou esgoto, nem no meio ambiente. O pacote deve ser entregue nas inspetorias ou escritórios de defesa agropecuária da Seapdr ou unidades do Ministério da Agricultura.
Outros canais para comunicação de recebimento de sementes não solicitadas do exterior são os telefones da divisão de Defesa Sanitária Vegetal, (51) 3288-6289 e 3288-6294, WhatsApp (51) 98412-9961 ou o e-mail defesavegetal@agricultura.rs.gov.br

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.