Publicidade
Acompanhe:
Cotidiano Já é Natal

Rodrigo Santoro dá voz a personagem natalino

Ator faz a dublagem de Jesper na animação Klaus que está em Netflix

Por Luiz Carlos Merten
Publicada: 30.11.2019 às 08:00

Foto por: Ramón Vasconcelos/ Globo
Descrição da foto: Ator é pai de uma menina de dois anos e segue de longe o que acontece no Brasil
Rodrigo Santoro é veterano nesse negócio de dublagem de animações. Lá atrás, em 1999 - há 20 anos -, ele forneceu sua voz ao pequeno Stuart Little - lembram do ratinho adotado pela família de Geena Davis e Hugh Laurie no mix de animação e live action de Rob Minkoff? Stuart Little fez tanto sucesso que, em 2002, surgiu o 2, e lá estava de novo Rodrigo dublando o ratinho Depois, em 2011 - ele já era um astro internacional, com carreira em Hollywood -, veio o fenômeno "Rio", a animação com que Carlos Saldanha exaltou as cores do Brasil para o mundo. "Até hoje sinto o Blu, uma arara azul, como um personagem do qual sou muito próximo."

E aí veio o convite da Netflix para fazer as dublagem de "Klaus". A animação de Sérgio Pablos já está na plataforma de streaming. O Klaus do título refere-se a Santa Claus, o Papai Noel do Hemisfério Norte. É um carpinteiro que vive isolado num lugarejo gelado próximo do Círculo Ártico. É para esse lugar que vai Jesper, um sujeitinho atrapalhado que conseguiu ser o pior estudante da academia postal.

Busca por acertar

Quando recebeu a proposta de dar voz a Jesper, Rodrigo Santoro imediatamente ficou seduzido pelo que define como "delicadeza" do projeto. Klaus, o filme, é isso. O Jesper parece não ter espaço no mundo. Faz tudo errado, provoca mil confusões, mas no fundo ele quer acertar. Não dá para não pensar na atual situação do mundo. Tanta gente abandonada, desempregada, subempregada. Gente condenada a duvidar de si, a não se achar nada. Achei linda a história do sujeito que acha seu lugar no mundo. Quem não quer?"

Algo ainda se passou na vida de Rodrigo Santoro, recentemente. É pai de uma menina de dois anos. "Pensava nela enquanto fazia o trabalho. Aliás, fazer o trabalho me roubou algumas horas com ela. A Nina ainda não viu o filme, só algum material, enquanto eu estudava para o papel - porque é um papel, exige concentração, dedicação, entrega. E o que viu ela gostou. Estou bem feliz. Rodrigo segue de longe o que se passa no Brasil. "Torço para que tudo dê certo."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.