Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
Palpites de Mãe
Cuidados

Vacina da febre amarela, quando fazer?

Imunização integral é feita apenas uma vez na vida
26/01/2018 12:14 26/01/2018 12:14


Reprodução/Arquivo Pessoal
Maria Clara será vacinada para poder viajar com os pais Fábio e Raíssa Rios
O surto de febre amarela que está ocorrendo no sudeste do país tem feito com que a procura pela imunização contra a doença se intensifique nos postos de saúde de todo o Brasil. Além disso, neste período de férias, quem vai viajar para áreas de risco, também precisa tomar a vacina. Isso também vale para os pequenos.

Maria Clara Rios, 2 anos, está com viagem marcada com os papais Raíssa e Fábio, para um cruzeiro pelo Caribe. Por conta disso, a mamãe começou a pesquisar sobre a vacina contra a febre amarela. “Esta foi a única vacina do calendário que não fizemos na Maria Clara no período recomendado.”

Ela lembra que na época, o pediatra da menina afirmou que tanto fazia tomar na rede pública quanto na privada, que seria a mesma vacina. “Lembro de procurar nos postos de saúde, mas estar em falta. Como não viajaríamos para locais de risco, o médico afirmou que não precisava a Maria Clara tomar naquele momento e acabamos por não dar. Agora, com as férias marcadas, optamos por fazer.”

Raíssa comenta que por conta do surto no Brasil, muitas informações são desencontradas e com elas, vieram os medos. “Como é uma vacina de vírus vivo, acabo ficando com medo das reações que podem vir. Já li até sobre mortes após a vacinação, o que me deixou preocupada.” Para ficar mais tranquila, além de consultar o pediatra, ela buscou a troca de experiências em um grupo de mães.

Imunização é do calendário


Reprodução/Internet
Aplicação da vacina é sempre injetável
Segundo a diretora da Vigilância em Saúde de Gravataí, Patrícia Silva, a imunização contra febre amarela consta no calendário nacional de imunização sendo aplicada rotineiramente em bebês aos 9 meses de idade, em uma dose única. “Ela pode dar reações e as mais comuns são dor no local da aplicação, febre, mal-estar, dor de cabeça e dor no corpo.” A vacina não é recomendada para bebês menores de nove meses, imunodeprimidos e com alergia grave ao ovo. “Bebês e crianças que ainda não fizeram a vacina podem se imunizar agora”, comenta. Patrícia ainda ressalta que quem vai viajar para regiões com casos da doença e que ainda não tenha sido imunizado deve fazer a vacina. “Nestes casos é recomendável que se vacine, com no mínimo 10 dias de antecedência, tempo necessário para que o organismo adquira imunidade”, destaca.

A febre amarela é uma doença grave, transmitida por mosquitos e causada por vírus e que pode levar a morte. A vacina é produzida a partir de vírus “enfraquecido” (ou atenuado na linguagem médica), mas vivo. Embora seja raro, podem ocorrer efeitos colaterais sérios em pessoas com baixa imunidade.

Repelente pode ser aliado

Além da vacina, uma das formas de tentar se proteger da doença é com o uso de repelentes, já que a transmissão é feita por mosquito infectado. Porém, a maioria dos pediatras recomenda que os produtos sejam utilizados apenas em bebês maiores de 6 meses de idade.

Saiba onde se vacinar:

Cachoeirinha

Segunda-feira – Décio Martins Costa e ESF Fátima

Terça-feira – Betânia, José Ramos e Canarinho

Quarta-feira – Cohab e Otacílio

Quinta-feira – Jardim do Bosque, Granja, Getúlio e Wilkens

Sexta-feira – Parque da Matriz, Osvaldo Cruz e Nova Cachoeirinha

Gravataí

Segunda-feira: UBS Bonsucesso, USF Parque dos Eucaliptos, UBS Centro, USF Érico Veríssimo, USF Costa do Ipiranga.

Terça-feira: USF Morada do Vale 2, UBS Cohab A, UBS São Judas Tadeu, USD Princesa Isabel, USD Aristides Davila, USF Itatiaia, USD Nova Conquista, USF Morungava, USF Itacolomi, USF Neópolis

Quarta-feira: USF Águas Claras, UBS Vera Cruz, UBS Cohab A, USF Granville, USF Costa do Ipiranga

Quinta-feira: UBS Morada do Vale I, UBS Vila Branca, USD Parque dos Eucaliptos, USF Princesa Isabel, UBS Centro, USF Aristides Davila, USF Barro Vermelho, USF Itacolomi, USF São Marcos

Sexta-feira: USF Águas Claras, UBS Vila Branca, USF Morada do Vale II, UBS Cohab C, UBS São Judas Tadeu, USF Parque dos Anjos, USF Itatiaia, USF Nova Conquista, USF Santa Cecília, USF Barro Vermelho, USF Érico Veríssimo, USF Morungava, USF Neópolis


Diário de Cachoeirinha

Palpites de Mãe

por Paloma Vargas
paloma.vargas@gruposinos.com.br

Paloma Vargas é repórter dos jornais Correio de Gravataí e Diário de Cachoeirinha. Nesta nova fase de sua vida, em que espera a chegada do André, ela dividirá a experiência de ser mãe de primeira viagem neste blog, e também, quinzenalmente, nas páginas impressas do CG e do DCA.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE